Publicado por: ceercomunicaciencia | 03/02/2011

U.Porto à descoberta do genoma do orangotango

 

Susie. É assim que se chama o orangotango cujo genoma foi sequenciado num trabalho pioneiro liderado por Devin Locke, do Genome Center da Universidade de Washington, e que contou com a participação de Rui Faria, do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO) da Universidade do Porto. A descoberta, que envolveu mais de 30 laboratórios espalhados por sete países, é tema de capa na última edição da prestigiada Revista Nature.
 
Segundo o investigador português, “a decisão de sequenciar o genoma do orangotango foi tomada em 2004, mas só em 2007 ficou disponível o primeiro rascunho do genoma” para que as equipas de investigação pudessem analisá-lo. A participação mais activa de Rui Faria começa em 2008, dentro do grupo em que estava inserido (Genómica Evolutiva), liderado pelo Professor Arcadi Navarro do Instituto de Biologia Evolutiva, Universidade Pompeu Fabra, PRBB em Barcelona. O investigador português estava, nessa altura, a começar o seu primeiro pós-doutoramento em especiação cromossómica  e a “dar os primeiros passos na utilização de ferramentas bioinformáticas e na análise comparativa de genomas (genómica comparativa)”, explica.
 

Quando terminou a bolsa da FCT, Rui Faria  regressou ao CIBIO, onde continua a fazer o pós-doutoramento, mas, nessa altura, já “a maior parte das análises tinha sido realizada” e até já tinha sido feito o primeiro rascunho do texto que acaba de ser publicado na “Nature”. Mesmo após esta data continuou a contribuir para a discussão (quase sempre semanal), “dos resultados obtidos pelos diferentes grupos e no melhoramento do artigo até à sua publicação”.

O trabalho desenvolvido pelo grupo onde estava inserido, dentro do contexto deste projecto, consistia em duas áreas principais: “a análise da distribuição da divergência de ADN entre várias espécies de primatas, ao longo do genoma, tendo em especial atenção as regiões cromossómicas que foram alvo de grandes rearranjos, como por exemplo inversões, e a análise da selecção natural em intrões (secções da sequência de ADN de um gene que não codificam qualquer parte da proteína produzida pelo gene) na linhagem do orangotango”.

Este símio, diz-nos Rui Faria, apresenta um “dimorfismo sexual (características físicas não sexuais muito diferentes entre macho e fêmea) bastante marcado e uma longevidade de 35 a 45 anos nas populações naturais”. Ao contrário do que se pensava anteriormente, acrescenta o investigador, “os orangotangos criam e utilizam habilmente ferramentas, parecem evidenciar capacidade de aprendizagem cultural e apresentam uma estrutura social complexa”.
 
O estudo incidiu sobre duas espécies de orangotango indonésio (Pongo abelli, orangotango de Sumatra, da ilha de Sumatra; e Pongo pygmaeus, orangotango de Bornéu, ilha do Bornéu) e revelou “a existência de grandes alterações demográficas nas duas espécies, desde a sua separação em relação a um ancestral comum, há cerca de 400.000anos. Apesar dos actuais baixos efectivos populacionais, a espécie de Sumatra sofreu uma expansão populacional desde a separação de um ancestral comum, ao contrário da espécie do Bornéu, que sofreu um declínio populacional”. Mas ambas, sublinha Rui Faria, “têm sido sujeitas a uma elevada pressão populacional devido à diminuição do seu habitat natural, desflorestação, capturas ilegais e doenças, encontrando-se actualmente classificadas como criticamente em perigo de extinção”.
 
À semelhança dos restantes investigadores, Rui Faria espera que “os recursos e as análises apresentados neste estudo possibilitem novas oportunidades em termos de estudos de genómica evolutiva e da biologia do hominídeos e que ofereçam uma extensa base de dados de variação genética para ajudar nos esforços de conservação destas espécies”, ainda assim, receia que a diversidade genética se perca “com a contínua perda de habitat e fragmentação populacional”. Daí considerar que “o melhor, neste caso, é não esperar para ver o que acontece, mas actuar”.
 
AS / REIT + RF CIBIO | Fotos: naturenews / Notícias Sapo
Advertisements

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair / Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair / Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair / Cambiar )

Google+ photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google+. Sair / Cambiar )

Conectando a %s

Categorías

%d bloggers like this: