Publicado por: ceercomunicaciencia | 11/01/2011

Tratamento para apneia do sono reduz risco cardiovascular

Um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) demonstrou pela primeira vez que o uso de sistemas de pressão positiva contínua automática (APAP) reduz significativamente o risco cardiovascular nos doentes com apneia obstrutiva do sono.

Os sistemas de pressão positiva contínua automática são pequenas máquinas ligadas a uma máscara facial que ajudam o paciente a respirar durante o sono, diminuindo os eventos respiratórios e reduzindo a sonolência durante o dia. O que distingue este sistema do tradicional (CPAP) é que com o dispositivo de pressão positiva contínua automática o nível de pressão na via respiratória variaao longo de cada ciclo respiratório durante o sono, de acordo com as necessidades de cada doente, sendo, por isso, mais confortável.

O trabalho em causa, liderado pela investigadora Marta Drummond, do Serviço de Pneumologia da FMUP, avaliou 74 pacientes com apneia obstrutiva do sono moderada a grave, do sexo masculino. O risco cardiovascular dos pacientes foi avaliado antes e depois de se iniciar o tratamento com sistemas de pressão positiva contínua automática.

Os resultados revelaram que 63,5% dos pacientes com apneia do sono sofre também de síndrome metabólica – um conjunto de alterações (hipertensão arterial, obesidade, diabetes e dislipidemia) que contribuem drasticamente para o aumento do risco cardiovascular.

Após um período de seis meses de tratamento com pressão positiva contínua automática, a prevalência de síndrome metabólica no grupo em estudo desceu para os 47,3%. Os pacientes apresentaram menos sonolência durante o dia e registaram correcção dos eventos respiratórios durante o sono. O tratamento foi mais eficaz nos doentes com apneia menos grave e naqueles que cumpriram o uso de ventilação nocturna com maior rigor.

De acordo com os autores, “a pressão arterial e os níveis de triglicerídeos tiveram uma redução estatisticamente significativa durante o período em análise. E mesmo entre os pacientes que mantiveram a síndrome metabólica, houve uma redução dos critérios para diagnóstico do problema na ordem dos 20%.” Neste trabalho conseguiram-se maiores reduções na tensão arterial nocturna e diurna do que em trabalhos realizados com sistemas de pressão contínua, fixa na via aérea, o que demonstra que o APAP é uma opção terapêutica válida e segura, para além de poder ser mais cómoda para o paciente.

Marta Drummond lembra que a apneia do sono é uma patologia conhecida há relativamente pouco tempo (cerca de 40 anos) e que, por isso, tende a ser desvalorizada. No entanto, estudos demonstram que os pacientes com apneia obstrutiva do sono morrem mais de todas as causas, quer sejam doença cardiovascular ou acidente de viação. “Tratar esta doença é ganhar anos e qualidade de vida”, sublinha.

O estudo foi publicado recentemente na revista científica internacional Sleep and Breathing.

Fonte: http://noticias.up.pt

Advertisements

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair / Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair / Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair / Cambiar )

Google+ photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google+. Sair / Cambiar )

Conectando a %s

Categorías

%d bloggers like this: